x
Novidades

Fique por dentro dos principais conteúdos, notícias e novidades.



Síndrome do olho seco: guia exclusivo sobre a doença!

A síndrome do olho seco é um dos problemas oftalmológicos cujo tratamento pode ser relativamente mais simples, desde que corretamente identificada e tratada. 

No entanto, o que dificulta é o fato que muitas vezes nem é diagnosticada. Isso porque, não é muito comum que os brasileiros consultem um oftalmologista.

Na verdade, na maioria das vezes, esses profissionais só são procurados quando algum problema sério já está instalado.

Neste guia exclusivo, você aprenderá mais sobre a síndrome do olho seco, bem como suas causas, principais sintomas e tratamentos.

Vamos lá? Continue conosco e boa leitura!

Síndrome do olho seco, o que é?

Uma das principais funções das lágrimas é lubrificar os olhos, deixando-os com um aspecto bem brilhante e com uma aparência saudável, já que hidrata a superfície córnea. 

Porém, quando ocorre alguma modificação nas glândulas responsáveis por produzir as lágrimas (diminuição da produção), bem como alterações nas glândulas das pálpebras (alteração na qualidade da lágrima), a síndrome do olho seco pode ser desencadeada. 

Assim, essa manifestação clínica está relacionada a sintomas que envolvem não só a quantidade da lágrima, como sua qualidade.

As lágrimas também contêm nutrientes necessários para que a superfície ocular funcione corretamente, tais como sais minerais, proteínas e água, por exemplo.

Logo, uma das principais consequências dessa síndrome, além dos sintomas irritativos, pode ser o aparecimento de lesões na superfície ocular.

Quais são as causas da síndrome do olho seco?

Ambos os sexos podem ser afetados pela síndrome do olho seco. No entanto, segundo a literatura médica sobre o assunto, parece existir uma prevalência maior em mulheres acima dos 40 anos de idade.

Além disso, idosos também são afetados por essa doença, pois, com o tempo, a produção de lágrimas acaba diminuindo de forma significativa.

Essa doença também pode ser desenvolvida durante a gestação ou no período da menopausa, justamente por conta das alterações hormonais típicas desses períodos. 

Mas existem, sim, outras causas que podem contribuir, mesmo que de forma indireta, para que essa manifestação clínica aconteça. Veja:

  • doenças preexistentes, como doenças autoimunes ou distúrbios metabólicos, podem influenciar o aparecimento dessa síndrome;
  • utilização de medicamentos sem a devida prescrição médica, principalmente para aquelas pessoas que já têm uma certa tendência em desenvolver a doença;
  • exposição a raios solares ou a demais fatores que possam desencadear a síndrome do olho seco, como vento e ar-condicionado, poluição, maquiagens inadequadas.

Afinal, quais são os sintomas da síndrome do olho seco?

De forma geral, os sintomas mais observados são:

  • coceira nos olhos;
  • olhos irritados, vermelhidão;
  • secura;
  • fotofobia;
  • ardor;
  • sensação de “areia” nos olhos;

sintomas-da-sindrome-do-olho-seco

Como essa doença é diagnosticada?

Atualmente, existem três exames que diagnosticam, de fato, a síndrome do olho seco no paciente. A seguir, você confere um pouco mais sobre cada um deles!

Coloração com Lisamina Verde

Um dos corantes mais utilizados pelos oftalmologistas é a lisamina verde, pois permite analisar lesões que acometem a superfície dos olhos.

Ele é importante para ajudar a diagnosticar essa síndrome. 

Assim, com a coloração com lisamina verde será possível checar se o olho está com algum tipo de ressecamento.

Tempo de quebra do Filme Lacrimal

Avalia o tempo em que a lágrima fica intacta no olho e o paciente não precisa piscar.

Geralmente, esse tempo é de dez segundos ou mais.

Caso o tempo seja menor, outros exames podem ser solicitados, justamente para que um diagnóstico mais preciso seja fechado.

Teste de Schirmer

O Teste de Schirmer é mais um tipo de exame utilizado para mensurar a quantidade de lágrimas produzidas e identificar se essa quantidade está dentro do normal ou não.

Esse teste é bastante simples: o médico colocará uma fita de papel milimetrado na borda interna da pálpebra inferior e medirá quantos milímetros a fitinha ficará “molhada”. 

Acima de 10 mm: indica produção lacrimal normal. Entre 5 e 10 mm: indica olho seco moderado. Abaixo de 5 mm: indica olho seco severo.

Quais são os tratamentos para a síndrome do olho seco?

Infelizmente, a síndrome do olho seco é uma doença que não tem cura. Porém, por meio de tratamentos adequados, é possível que o paciente consiga ter qualidade de vida.

De forma geral, os tratamentos disponíveis, hoje, têm como objetivo lubrificar a superfície ocular por um tempo maior.

No entanto, é importante mencionar que o tipo de tratamento irá depender do atual estado do paciente e somente o oftalmologista poderá indicar o mais adequado.

Colírios lubrificantes

Os colírios possuem componentes semelhantes aos que são encontrados nas lágrimas. Assim, conseguem lubrificar a superfície ocular, protegendo a córnea.

Colírios de anti-inflamatórios

Os colírios de anti-inflamatórios são uma opção de tratamento bastante utilizada mas devem ser prescritos após rigorosa avaliação pelo médico oftalmologista.

Outras opções existem para casos mais severos, mas o oftalmologista deve avaliar para indicar a melhor forma de tratamento.

Autocuidados para síndrome do olho seco: O que fazer para prevenir essa condição?

Seja qual for o tratamento recomendado, alguns cuidados devem ser tomados para que os resultados sejam mais satisfatórios. 

Por exemplo, evite ficar muito tempo diante das telas, sejam as telas do computador, do celular, do tablet ou de qualquer outro equipamento.

Isso porque, além de piscarmos menos vezes, as luzes dessas telas, na maioria das vezes, acabam prejudicando a visão e podem desencadear fatores agravantes da síndrome do olho seco. 

Procure evitar locais secos demais e permanecer em locais em que o ar-condicionado é utilizado constantemente.

Os óculos de sol com lentes de qualidade ajudam a proteger contra os raios UV.. 

A seguir, confira outros cuidados que você pode tomar no seu dia a dia:

  • procure se hidratar bastante;
  • pisque com frequência;
  • evite coçar o olho (mesmo após higienizar as mãos);
  • ao utilizar celular e afins, procure fazer algumas pausas.
  • higienize diariamente as pálpebras com produtos específicos.

Podem parecer pequenos cuidados, mas que podem surtir um efeito enorme na saúde dos seus olhos, acredite!

saude-ocular-da-populacao-brasileira

Brasil: como anda a saúde ocular da população atualmente? 

A saúde ocular nunca esteve tão em alta quanto ultimamente, principalmente após a pandemia de Covid-19. 

Neste contexto, várias dúvidas acabam surgindo entre a população e, assim, gera uma certa inquietação sobre qual fonte confiar. 

Uma das maiores preocupações entre os especialistas é o momento tardio em que as doenças oftalmológicas são diagnosticadas.

Isso porque, quanto mais precoce o diagnóstico for feito, melhores serão as chances de uma recuperação adequada e complicações poderão ser evitadas.

Dentre as doenças que podem levar os pacientes à perda total da visão, estão a catarata, o glaucoma e a degeneração macular.

Outra causa importante é a retinopatia diabética. O diabetes, se não controlado de forma adequada, pode acabar comprometendo a visão.

Além disso, diferentemente do que muitos acreditam, não é só em adultos e idosos que os problemas oftalmológicos podem se desenvolver. 

Muitos jovens hoje em dia estão tendo problemas de visão, inclusive a síndrome do olho seco. 

Dessa forma, podemos entender que a preocupação com a saúde ocular deve ser de todos. Afinal, é melhor prevenir do que remediar, não é mesmo?

Qual profissional procurar para saber se tenho síndrome do olho seco?

Agora que você já entendeu um pouco mais sobre a síndrome do olho seco e entendeu a importância de realizar visitas regulares ao médico, deve estar se perguntando: qual especialista devo procurar para saber se tenho ou não esse problema?

O médico que irá analisar a sua saúde ocular, bem como indicar o melhor tratamento é o oftalmologista. Assim, ele será responsável por indicar os melhores produtos para a síndrome do olho seco. 

E aqui, na União Química, você encontra os melhores produtos oftalmológicos para o seu tratamento. 

Além de sermos uma empresa sustentável e que respeita o meio-ambiente, garantimos qualidade e segurança em todos os nossos produtos. 

Afinal, parte do nosso faturamento é destinado a pesquisa e desenvolvimento, sendo esses pilares importantes na geração de produtos inovadores.

Acesse o nosso site e conheça todos os produtos oftalmológicos que temos para oferecer.

 oftalmologista-para-indicar-melhor-tratamento

Conclusão

No conteúdo de hoje, você aprendeu o que é, os sintomas e os testes feitos para diagnosticar a síndrome do olho seco, bem como os tratamentos mais comuns. 

Além disso, foi capaz de perceber que a visita frequente ao médico oftalmologista, especialista responsável por tratar essas questões, é fundamental para manter sua saúde ocular.

Por fim, pode conferir a qualidade dos produtos da União Química, uma empresa que coloca o paciente em primeiro lugar e que está em constante evolução para sempre garantir qualidade de vida e bem-estar.

Gostou de aprender mais no conteúdo de hoje? Se sim, continue aprendendo acessando o nosso site e conferindo a importância de estimular a alimentação saudável desde a infância.

Fontes



Ir para o topo